Procuradoria: Não houve nenhum crime na compra de Pasadena

publicada quarta-feira, 23/07/2014 às 17:27 e atualizada quarta-feira, 23/07/2014 às 17:14

Por André Richter, da Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, arquivou hoje (23) um pedido de investigação protocolado por um grupo de senadores contra o Conselho de Administração da Petrobras e a presidenta Dilma Rousseff para apurar  supostas irregularidades na compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, em 2006. Na época, Dilma presidia o conselho.

Na decisão, Janot reconhece que a operação pode ter provocado prejuízos financeiros, mas ressalta que a decisão do Conselho de Administração que aprovou a compra, por unanimidade, estava alinhada com o planejamento da Petrobras e seguiu as regras do estatuto da empresa.

“Ainda que se esteja diante de uma avença [acordo] malsucedida e que importou, aparentemente, em prejuízos à companhia, não é possível imputar o cometimento de delito de nenhuma espécie aos membros do Conselho de Administração, mormente quando comprovado que todas as etapas e procedimentos referentes ao perfazimento do negócio foram seguidos”, disse Janot.

Sobre a apuração de possíveis prejuízos, o procurador afirmou que as responsabilidades deverão ser apuradas pelos órgãos de controle, como o Tribunal de Contas de União (TCU), por exemplo. Leia a matéria completa »

Nenhum Comentário

Video

Mais vídeos »

Conheça a trajetória de Leopoldo López, líder golpista na Venezuela

Veja vídeo e leia reportagem de Natalia Viana e Luiza Bodenmuller, da Agência Pública, sobre documento secreto do WikiLeaks que detalha como o embaixador William Brownfield, hoje secretário-assistente do Departamento de Estado, planejava acabar com o chavismo.

Imagem e Ação


Em São Paulo, Levante Popular da Juventude parou a Avenida Paulista por uma hora para pintas a bandeira do Brasil por uma Constituinte Soberana e Exclusiva do Sistema Político na frente do MASP

Diversos movimentos sociais realizaram atos e intervenções artísticas pelo país no Dia Nacional de Luta pela Constituinte. As ações, que aconteceram em 14 estados, tiveram como objetivo chamar a atenção da sociedade para o Plebiscito Popular.