Escravidão sexual e tráfico de pessoas em Belo Monte

publicada quinta-feira, 21/02/2013 às 11:37 e atualizada quinta-feira, 21/02/2013 às 11:15

Adolescente é resgatada de prostíbulo em Belo Monte
Por Verena Glass, da Repórter Brasil

A Polícia Civil de Altamira, no Pará, encontrou 14 mulheres e uma travesti em regime de escravidão e cárcere privado em um prostíbulo localizado em área limítrofe de um dos canteiros de obras da hidrelétrica de Belo Monte. A operação foi realizada na noite desta quarta-feira, 13, após denúncia de uma garota de 16 anos, que conseguiu fugir. A adolescente procurou a conselheira do Conselho Tutelar, Lucenilda Lima, que acionou a polícia.

De acordo com o delegado Rodrigo Spessato, que comandou a operação, as mulheres, de idade entre 18 e 20 anos – além da jovem de 16, todas provenientes dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul – eram confinadas em pequenos quartos sem janelas e ventilação, com apenas uma cama de casal, e havia cadeados do lado de fora das portas. Em depoimentos ao delegado, as vítimas afirmaram que podiam ir à cidade de Altamira uma vez por semana, por uma hora, mas eram vigiadas pelos funcionários da boate.

Além da situação de cárcere privado, a polícia encontrou no local um caderno onde eram anotadas as dívidas das meninas, como gastos com passagens, alimentos e vestimentas, além de “multas” por motivos diversos.

Ameaça de morte
Após a ação, a policia civil resgatou, além da adolescente, quatro  meninas e uma travesti. Segundo Lucenilda, do Conselho Tutelar, as demais disseram ter muito medo de retaliações, uma vez que o dono da boate teria ameaçado seus familiares que moram no Sul. Em entrevista à reportagem, uma das jovens resgatadas contou que, assim que a adolescente de 16 anos conseguiu fugir, o gerente a seguiu com uma arma.

“Ele saiu atrás dela armado e disse que não custava matar uma, que ninguém ficaria sabendo”, afirma a garota, que tem 18 anos. Procedente de Joaçaba, no interior de Santa Catarina, ela conta que lá trabalhava em uma boate cuja cafetina era “sócia” do dono da boate no Pará. “Viemos em nove lá de Joaçaba. Falaram para a gente que seria muito bom trabalhar em Belo Monte, que a gente ganharia até R$ 14 mil por mês, mas quando chegamos não era nada disso”, conta.

“Já de cara fizemos uma dívida de R$ 13 mil por conta das passagens [valor cobrado do grupo]. Aí temos que comprar roupas, cada vestido é quase R$ 200, e tudo fica anotado no caderninho pra gente ir pagando a dívida. E tem também a multa, qualquer coisa que a gente faz leva multa, que também fica anotada no caderno. Depois de cada cliente, a gente dava o dinheiro para o dono da boate pra pagar as nossas dívidas, eu nunca ganhei nenhum dinheiro para mim”, explica a garota.

Sobre as condições às quais foram submetidas na boate, ela conta que morava com outras três meninas em um pequeno quarto muito quente, e que realmente não tinha permissão de sair do local. “Eles ligavam o ar condicionado só por uma hora. A gente tinha que trabalhar 24 horas por dia; quando tinha cliente, tinha que atender”, afirma.

“De comida, tinha almoço e janta. Se você estava trabalhando na hora do almoço, tinha que esperar a janta. Se desse muita fome, a gente tinha que comprar um lanche. O gerente da boate dizia que a gente só poderia sair depois de pagar todas as dívidas, e que nem adiantava reclamar porque ninguém ia nos ajudar, ele era amigo da justiça e nunca ninguém ia fazer nada contra ele. Mas ele disse que se a gente falasse, eles iam atrás dos nossos filhos e parentes lá no Sul.”

Belo Monte
Sobre os clientes, ela conta que eram exclusivamente trabalhadores de Belo Monte. “Eram operários, eram gerentes, tinha de tudo. Todo mundo que trabalha na obra vinha na boate”, explicou.

O delegado Rodrigo Spessato diz não saber se o prostíbulo está dentro ou fora dos limites do canteiro de obras. A conselheira Lucenilda Lima relata, no entanto, que para chegar à boate foi preciso atravessar o canteiro de Pimental, um dos principais da usina. “Foi uma burocracia na entrada para a gente conseguir passar. E lá mesmo toda hora passavam os carros e tratores de Belo Monte, então eu considero que a boate está na área da usina”.

Na ação, a polícia civil efetuou a prisão de dois funcionários da boate, mas não encontrou o proprietário. Segundo Spessato, além de exploração sexual de menor, cárcere privado e regime de escravidão, o caso poderá ser caracterizado como tráfico de pessoas, e os responsáveis pelo prostíbulo, processados por estes crimes.

Como o canteiro de Pimental fica no município de Vitória do Xingu, o caso está sendo apurado pela delegacia dessa cidade. O delegado local chegou a Altamira na manhã desta quinta-feira para tomar os depoimentos das vítimas e dos dois funcionários presos, e voltará à boate ainda esta tarde em uma nova ação para fechar o estabelecimento e resgatar 10 mulheres que permaneceram no local.

Leia outros textos de Geral

7 Comentários

7 Comentários para “Escravidão sexual e tráfico de pessoas em Belo Monte”

  1. Christina disse:

    Prezada Verena Glass,

    A senhora e, suponho, vários outros formadores de opinião fariam um grande serviço aos direitos humanos se se recusassem a chamar prostitutas adultas de “meninas”.

  2. edu marcondes disse:

    A reporter falou, falou, falou e não ficamos sabendo quem é o cafetão, o dono do prostíbulo. É fudamental divulgar nome e imagem para que a sociedade participe ajudando a prendê-lo.

    • Anderson Diego disse:

      Foi sei justamente o que pensei caro Edu Marcondes. Falou, falou mas não divulgou o nome do explorador. Que deve ser bem graúdo mesmo. Esta mais do que na hora de se dar nome aos bois!

  3. Beatriz disse:

    Dona Christina,
    Como pode a senhora ler uma notícia dessa e se concentrar no termo “meninas” usado pela jornalista? A notícia em si não é horripilante o suficiente? Ainda assim a senhora quer discutir o sentido da palavra “meninas”?
    A senhora é vítima de moralismo hipócrita ou é parte interessada na história, do lado dos exploradores das meninas.
    As meninas não são vítimas, são culpadas, é isso? Entendi…

  4. Vinícius Serroni disse:

    @Beatriz: exatamente isso que eu quis dizer! Se é pra chamar as pessoas pela “profissão + o termo adulto” porque a Christina não chamou a Verena Glass de “Prezada jornalista adulta”? E uma coisa que passou batida, se essa Christina tivesse realmente lido o texto, ela saberia que a “menina” que escapou, era uma menor de idade.

    @Edu: Pelo que diz a matéria, os donos eram “amigos da Lei”, ou seja, vai ser difícil serem identificados ou punidos, ou talvez algum laranja seja punido por eles. Triste…

    Parabéns aos jornalistas por divulgarem isso…

Comentar