Os graves ataques a indígenas durante as obras da BR-174

publicada quinta-feira, 13/09/2012 às 11:35 e atualizada quinta-feira, 13/09/2012 às 12:41

Documentário mostra importância de investigar violação dos direitos humanos dos indígenas
Por Marcelo Zelic, na Carta Maior

O documentário AmazôniAdentro capítulo 1 produzido pela TV Brasil, ilustra a importância da decisão da 6ª Câmara do Ministério Público Federal de apurar as violações dos direitos humanos dos indígenas no Brasil durante a ditadura militar. A 6ª Câmara tomou uma decisão importante para o país, que trará luz sobre um assunto tabú e que gerou muito sofrimento à população atingida. O caso Waimiri-Atroari, a construção da BR-174 e outras obras na região que os atingiram, precisa ser esclarecido. Tal decisão vai ao encontro à tomada pelos membros da Comissão Nacional da Verdade que já incorporaram a seu trabalho um eixo que tratará da questão indígena.

Fatos graves como o bombardeamento de aldeias, precisam ser apurados. É marcante o depoimento de Mario Parwé Atroari, diz ele, “foi assim tipo bomba, lá na aldeia. O índio que estava na aldeia não escapou ninguém. Ele veio no avião e de repente esquentou tudinho. Ali morreu muita gente Waimiri-Atroari”.

Para Viana Wamé Atroari “foi muita maldade na construção BR 174”. Ele conta no documentário dirigido por Edilson Martins: “Aí veio muita gente, pessoal armado, assim no caso do exército, esse aí eu vi, eu sei, que me lembro bem, tinha um avião assim … … tipo … folha … descendo de folha, … … assim vermelho por baixo, só isso. Passo isso aí, morria rapidinho as pessoas.” Em sua fala não fica claro o tipo de arma utilizada, mas que morriam depois que o avião passava e não era bomba está colocado.

Imagens das atrocidades ficaram registradas em fotos e é preciso que os cidadãos brasileiros vejam estas imagens. É preciso sabermos a verdade dos fatos e apurá-los. O Brasil terá sua democracia fortalecida e quiça passemos enquanto nação a respeitar os direitos e a existência dos índios brasileiros, mudando condutas no presente, para que possamos reparar essas “maldades” de nosso desenvolvimento. Nos tratados internacionais essas “maldades” são chamadas de genocídio. No final da construção da estrada sobraram menos de 300 pessoas somadas todas as aldeias.

A presença do exército na região de forma armada para o combate é inegável, no filme há o relato de emprego de navio com canhão de proa atirando em aldeia. Para aqueles que ainda alimentam dúvidas, é preciso observar que os mesmos sacos plasticos listrados usados acima para translado de pessoas mortas, aparecem em outra área conflagrada na mesma época onde a atuação das forças armadas foi objeto de condenação de nosso país na Corte Interamericana de Direitos Humanos por pratica de terrorrismo de estado. Sentença essa, diga-se de público, que o estado brasileiro ainda não cumpriu. Sua utilização na área dos Waimiri-Atroari sinaliza a presença das forças armadas atuando no conflito. Os sacos listrados aparecem também nas imagens do translado para realizar o desaparecimento de guerrilheiros do Araguaia.

Essas imagens fazem parte da história da sociedade brasileira, pertencem ao passado, mas os crimes que registram não prescrevem por serem de lesa-humanidade. Faz-se urgente quebrarmos os tabús sobre essas violações de direitos humanos e enfrentarmos estas verdades e reparmos com justiça estas populações atingidas, buscando com isso uma reflexão fundamental sobre o que precisamos mudar em nosso conceito de desenvolvimento em relação ao trato com as nações indígenas brasileiras, para removermos condutas que infelizmente perduram até hoje e criarmos mecanismos de não-repetição para que as feridas abertas possam um dia cicatrizar.

Nota: Os outros três episódios podem ser vistos aqui.

Leia outros textos de Outras Palavras

2 Comentários

2 Comentários para “Os graves ataques a indígenas durante as obras da BR-174”

  1. Guilherme Nunes(Ensa) disse:

    O Brasil a cada dia tornar-se mais desenvolvido,graças as políticas aqui agora implantadas.Com o intuito de fazer com que nosso pais cresça cada vez mais,nosso governo esta buscando criar métodos afim de manter o Brasil no auge,visto que ninguém acreditava que nosso pais chegaria aonde ele está hoje.Porém apesar de estarmos em crescente desenvolvimento nossa população esta sofrendo com essas atitudes governamentais. Nosso governo está da pior maneira possível tirando o que temos de mais precioso,a natureza,afim de construir estradas,ferrovias.Procurar governar o Brasil afim de desenvolve-lo é o certo,mais do modo como estão agindo é errado.Tirar vidas inocentes,destruir lares,tirar o direito de viver das pessoas e principalmente destruir nossa natureza,não é certo.O Brasil diante desses desastrosos acontecimentos chegando a ponto de usar armas,exércitos ,destruindo tudo o que vê pela frente para suprir o que chamam de “necessidade ” não está se postando com um pais democrata.O descaso a população está chegando ao colapso.Chegamos ao ponto de que teremos de batalhar para garantir nossos direitos postos em lei.O que os indígenas estão passando é um absurdo,pois os mesmos direitos que possuímos eles também possuem,pois eles também fazem parte da nação brasileira e não merece passar por esses drásticos acontecimentos.Se para desenvolver nosso Brasil precisem tirar vidas ,prefiro que ele continue sendo pobre.

  2. JOão Luiz Cardoso disse:

    Fiz a viagem Boa Vista-Manaus, por terra, há cerca de 2 meses: são cerca de 12 horas de deslumbramento e tristeza com o que se veh pela janela do ônibus. A estrada, após umas 6 horas da partida de BV, entra na área Waimiri-Atroari e o que chamou a atenção é o grau de selvageria dos ataques contra as placas que, dermancando a área, margeiam a rodovia. Os Atroaris, ali , são tidos pela população envolvente, como intrusos, pelo que pude observar.Essa guerra não acabou.

Comentar