“Pendurar os traidores, como fizeram com Mussolini”

publicada sábado, 07/04/2012 às 21:48 e atualizada segunda-feira, 09/04/2012 às 09:15

“O governo de ocupação de ‘Tsolakoglou’ (referência ao primeiro ministro grego que durante a guerra, em 1941, colaborou com a ocupação nazista do país) aniquilou qualquer possibilidade de sobrevivência para mim, baseada em uma aposentadoria digna que paguei por minha conta sem nenhuma ajuda do Estado, durante 35 anos.

Dado que minha idade avançada não me permite recorrer à força – embora se um grego empunhasse um Kaláshnikov, eu seria o segundo a fazê-lo -, não me restou qualquer outra solução para um final digno, antes de ser obrigado a buscar comida no lixo.

Tenho fé que um dia os jovens sem futuro se erguerão em armas e na praça Sintagma pendurarão os traidores da nação, como os italianos fizeram com Mussolini em 1945.”

(Bilhete deixado por Dimitris Christoulas, farmacêutico aposentado de 77 anos, que se matou com um tiro a poucos metros do Parlamento grego, nesta 4ª feira).

Leia outros textos de Vasto Mundo

3 Comentários

3 Comentários para ““Pendurar os traidores, como fizeram com Mussolini””

  1. Murdok disse:

    As luzes do universo para Dimitris.

  2. Ao se imolar, Dimitris junta-se a um panteão de heróis que detonaram, com seus gestos extremos mudanças históricas em suas pátrias oprimidas. Vimos isso na República Tcheca, no Egito e em outras nações igualmente humilhadas pela rapacidade dos donos do dinheiro, com a cumplicidade de governos-títeres.
    Oxalá a Grécia supere este momento, honrando o sangue derramado por este cidadão indignado.

  3. Eunice disse:

    As luzes do universo para Dimitris.

Comentar